Como a greve dos bancos acelerou o fechamento de milhares de agências bancárias…

Girl at ATM

Muitos mercados mudam com os anos e geralmente quando estamos vivenciando isso e acontece aos poucos temos dificuldade em enxergar o tamanho do movimento. Entenda aqui como a greve dos bancos acelerou o fechamento de milhares de agências bancárias:

O setor bancário no Brasil, assim como todos os setores vem sofrendo transformações estruturais devido a informatização. Este ano até já poderíamos afirmar que lentamente o número de agências iria diminuir, pessoas iriam se aposentar e o segmento viraria digital.

Acontece que um evento potencializou tudo isso e agora como um trem bala, este segmento irá mudar radicalmente! Para vocês alguns fatos e números interessantes que atestam esse movimento.

Só para se ter uma ideia da grandiosidade dos números do setor, o Bradesco tem mais de 5.000 agencias no Brasil, mas atualmente 77% das transações do banco já são feitas via celular ou internet.

Vamos juntar todos esses dados: se você tem agências e pessoas (alto custo) e não precisa de todas estas pessoas e agências, o que fazer? Diminuir a operação, concordam? Sendo assim, podemos então esperar nos próximos anos o fechamento acelerado de agências pelo Brasil.

Agora, o que me levou a escrever este artigo? Este ano tivemos uma greve dos bancários que durou 31 dias (a maior dos últimos 10 anos, com fechamento de mais de 13.000 agências), e diferentemente dos anos anteriores, o sistema financeiro funcionou quase que normalmente.

Muitas pessoas pagaram as suas contas fisicamente em casas lotéricas e supermercados. Quem precisou emitiu as suas contas, efetuou os seus pagamentos, fez transferências, verificou saldos, extratos, etc, tudo online, ou seja, sem necessitar estar fisicamente nas agências.

Não estou entrando no mérito de desemprego ou desmonte do setor, estamos apenas discutindo o que irá acontecer. Está claro que esta greve acabou sendo um teste prático de como o sistema poderia funcionar sem as agências.

Ou seja, os sindicatos e funcionários ao aderirem a paralisação por tanto tempo, criaram um ambiente de testes para os bancos de como o sistema funcionaria sem agências e pessoas para o atendimento físico.

Só para se ter uma idéia da evolução das transações digitais, os canais eletrônicos (WEB, Móbile, POS) representaram quase 70% das transações registradas em 2015. Em dispositivos móveis o número de transações saltou de 4,7 Bilhões para 11,2 bilhões de 2014 para 2015. (Fonte: Febraban)

Outra informação importante, apenas 5 bancos Brasileiros detém mais de 80% dos ativos (Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Caixa, Santander). Ou seja, o que estes 5 fizerem acontecerá com todo o mercado, veja essas manchetes dos últimos dias:

imagem-sem-titulo
35
3
4

Mais um dado, o lucro dos bancos em 2016 deve superar (e ultrapassou em alguns momentos do ano) o lucro de todos os outros segmentos da economia. (Fonte: Infomoney) Sendo assim, não podemos subestimar a inteligência, agressividade e o apetite pelo lucro destas instituições.

Os números a seguir mostram que aos poucos os bancos já estavam tomando medidas, mas agora, certamente depois desse teste possibilitado pela greve de 31 dias, a velocidade será outra.

Especula-se que a fusão do Itaú com o Unibanco eliminou cerca de 15 mil postos de trabalho, e no auge do segmento em 2013 existiam 512.000 funcionários neste setor. (Fonte: G1 Economia)

De janeiro a maio de 2016 os bancos brasileiros fecharam 5.998 postos de trabalho (9.050 contratados e 15.048 desligados), sendo que a renda dos que são contratados (R$ 3.629,58) é menor do que a média (R$ 6.652,68) do setor. (Fonte: Sindibancários ES)

O número de agências bancárias caiu de 23.127 (2014) para 22.701 (2016) e já foram fechados mais de 7.000 postos bancários entre 2015 e 2016. (Fonte: Agência IN)

Gostaria aqui de falar mais sobre Nubank, Banco Original, Banco Neon, e outras empresas que estão entrando no segmento e acirrando a briga, mas não precisamos falar muito sobre elas, você só precisa saber que novas empresas estão entrando nesta disputa e que elas são cada vez mais digitais (sem agências físicas) adequando-se aos novos tempos e a necessidade dos clientes que tem cada vez mais demonstrado ótima aceitação.

Acredito (aqui como opinião pessoal) que os bancos tradicionais estão cometendo muitos erros ao tirar autonomia de gerentes, cobrar altas tarifas, e principalmente ter um péssimo atendimento online, esses bancos serão atropelados pelas novas empresas financeiras (fintechs) assim que os clientes começarem a testá-las…

Aliás vou escrever um artigo indicando bancos e cartões digitais e grátis (alguns)!!


Deixe um comentário